Eletroconvulsoterapia e Cetamina: Perspectivas Modernas no Tratamento da Depressão

Eletroconvulsoterapia e Cetamina: Perspectivas Modernas no Tratamento da Depressão

Uma análise comparativa entre o tratamento da depressão com Eletroconvulsoterapia (ECT) e a Terapia Endovenosa com Cetamina (TEC).

A Eletroconvulsoterapia (ECT) e a terapia endovenosa com cetamina (TEC) são dois métodos distintos de tratamento para a depressão, cada um com suas características, mecanismos de ação, vantagens e limitações.

Eletroconvulsoterapia (ECT):

Mecanismo de Ação: A ECT envolve a passagem de correntes elétricas pelo cérebro para induzir breves convulsões. Embora o mecanismo exato não seja completamente entendido, acredita-se que a atividade elétrica induzida altere a neuroquímica cerebral e os padrões de atividade neural, levando a efeitos antidepressivos.

Indicações: Geralmente é utilizada em casos de depressão grave, particularmente quando há risco iminente de suicídio, ou quando outros tratamentos, como a medicação, não foram eficazes.

Efeitos Colaterais: Pode incluir confusão temporária, desorientação e perda de memórias recentes. A ECT é geralmente considerada segura, mas esses efeitos colaterais podem ser significativos para alguns pacientes.

Efetividade: É reconhecida como uma das terapias mais eficazes para a depressão grave, com uma resposta rápida, o que pode ser crucial em situações de risco de vida.

Terapia Endovenosa com Cetamina (TEC):

Mecanismo de Ação: A cetamina é um anestésico dissociativo que atua em receptores NMDA no cérebro e, também, em vários outros receptores, que não cabe aqui mencionar. Ela pode promover a liberação de neurotransmissores e estimular a formação de novos neurônios e  novas sinapses, potencialmente revertendo os danos relacionados ao estresse e à depressão.

Indicações: Usada principalmente em casos de depressão resistente ao tratamento. A cetamina é notável por proporcionar alívio rápido dos sintomas depressivos, pensamentos de suicídio e de auto agressão, agindo muitas vezes dentro de horas ou dias.

Efeitos Colaterais: Podem incluir náuseas, aumento da pressão arterial, desorientaçãoe experiências dissociativas durante a infusão.

Efetividade: Tem se mostrado promissora no tratamento rápido da depressão e, também, pode reduzir pensamentos suicidas. Sua eficácia a longo prazo e o melhor protocolo de tratamento ainda estão sendo estudados.

Comparação e Contraste:

Velocidade de Resposta: Ambos os tratamentos podem oferecer alívio rápido dos sintomas da depressão, o que é uma vantagem significativa sobre os antidepressivos tradicionais.

Efeitos Colaterais: A ECT tende a ter efeitos colaterais mais preocupantes relacionados à cognição e memória, enquanto a TEC pode causar efeitos dissociativos e psicomiméticos.

Modo de Administração: A ECT requer anestesia geral e é normalmente realizada em um ambiente hospitalar, enquanto a TEC é menos invasiva e pode ser administrada em um ambiente ambulatorial, em clínicas porte 3 e hospitais porte 4.

Aceitação e Estigma: A ECT muitas vezes carrega um estigma maior e pode ser percebida como um tratamento mais extremo, enquanto a cetamina, sendo um medicamento relativamente novo para a depressão, está se tornando mais aceita à medida que mais pesquisas validam seu uso.

Previsão Futura:

ECT: Continuará a ser uma opção importante, especialmente para casos graves e de risco de vida, embora seu uso possa ser limitado devido aos efeitos colaterais e à percepção pública.

Cetamina (TEC): O interesse na cetamina está crescendo, tanto para a depressão quanto para outros transtornos de humor e dor, e é provável que seu uso se expanda à medida que mais pesquisas forem realizadas e novos protocolos de tratamento sejam desenvolvidos.

Ambas as abordagens têm seu lugar no tratamento da depressão, e a escolha entre elas depende das necessidades individuais do paciente, da gravidade da condição e da resposta a tratamentos anteriores. A decisão deve ser tomada por um profissional de saúde qualificado, considerando todos os fatores relevantes do paciente.

Referência Bibliográfica:

  • Sharma RK, Kulkarni G, Kumar CN, Arumugham SS, Sudhir V, Mehta UM, Mitra S, Thanki MV, Thirthalli J. Antidepressant effects of ketamine and ECT: A pilot comparison. J Affect Disord. 2020 Nov 1;276:260-266. doi: 10.1016/j.jad.2020.07.066. Epub 2020 Jul 18. PMID: 32697707.https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/32697707/
  • Loureiro JRA, Leaver A, Vasavada M, Sahib AK, Kubicki A, Joshi S, Woods RP, Wade B, Congdon E, Espinoza R, Narr KL. Modulation of amygdala reactivity following rapidly acting interventions for major depression. Hum Brain Mapp. 2020 May;41(7):1699-1710. doi: 10.1002/hbm.24895. Epub 2020 Mar 1. PMID: 32115848; PMCID: PMC7268016.https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC7268016/
  • Anand A, Mathew SJ, Sanacora G, Murrough JW, Goes FS, Altinay M, Aloysi AS, Asghar-Ali AA, Barnett BS, Chang LC, Collins KA, Costi S, Iqbal S, Jha MK, Krishnan K, Malone DA, Nikayin S, Nissen SE, Ostroff RB, Reti IM, Wilkinson ST, Wolski K, Hu B. Ketamine versus ECT for Nonpsychotic Treatment-Resistant Major Depression. N Engl J Med. 2023 Jun 22;388(25):2315-2325. doi: 10.1056/NEJMoa2302399. Epub 2023 May 24. PMID: 37224232.https://www.nejm.org/doi/10.1056/NEJMoa2302399?url_ver=Z39.88-2003&rfr_id=ori:rid:crossref.org&rfr_dat=cr_pub%20%200pubmed
  • Zhong X, Ouyang C, Liang W, Dai C, Zhang W. (2R,6R)-Hydroxynorketamine Alleviates Electroconvulsive Shock-Induced Learning Impairment by Inhibiting Autophagy. Neuropsychiatr Dis Treat. 2021 Feb 3;17:297-304. doi: 10.2147/NDT.S278422. PMID: 33568909; PMCID: PMC7868300.https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC7868300/
  • Mathew SJ, Jha MK, Anand A. Choosing Between Ketamine and Electroconvulsive Therapy for Outpatients With Treatment-Resistant Depression-Advantage Ketamine? JAMA Psychiatry. 2023 Dec 1;80(12):1187-1188. doi: 10.1001/jamapsychiatry.2023.3979. PMID: 37878334.https://jamanetwork.com/journals/jamapsychiatry/article-abstract/2811309
  • Chigareva O, Smirnova D, Astafeva D, Gradinar A, Izmailova O, Sheyfer M, Cumming P, Sack A, Gayduk AJ. Comparing the Anti-Depressive Effect of Electroconvulsive Therapy (ECT) Versus Transcranial Magnetic Stimulation (TMS) in the Treatment of Patients with Depression. PsychiatrDanub. 2023 Oct;35(Suppl 2):48-55. PMID: 37800203.https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/37800203/